2 de dez de 2010

Outono com cara de inverno!!


Que brasileiro que nunca viu neve não sonhava em vir pra Europa e ver os lindos floquinhos caindo?
Pois então! Nós não seríamos diferente!
Começou a nevar muito antes do esperado esse ano e desde sábado não parou mais!
A temperatura em Dublin chegou a -7° e neva muito!! As ruas ficam bem escorregadias pois a cidade não tem muito preparo para tal evento. Alguns dias, transportes públicos foram proibidos de circular e escolas foram fechadas...
É tudo muito novo pra nós e apesar do frio estamos aproveitando e curtindo muito! (Apesar do medo de quando realmente o inverno começar, afinal ainda estamos no outono)
Segue algumas fotos pra vocês apreciarem e curtirem um pouquinho conosco também.
=D














E nada melhor do que celebrar a melhor época do ano com neve, não é? A cidade está toda enfeitada e linda! Na semana passada foi realizado um evento em Dublin para celebrar o início do Natal e foi simplesmente maravilhoso!
Segue um vídeo:


Também algumas fotos da árvore de natal na O'Connel Street e Grafton Street.









Bom, é isso aí... aproveitem o calor pra quem está no Brasil pq por aqui está muito frioooo!
=**







26 de nov de 2010

Crise na Irlanda - Irish Crisis


Há duas semanas começaram os boatos que a Irlanda iria pedir ajuda ao FMI e a União Européia para não quebrar. De lá pra cá é um assunto está na mídia do mundo todo, inclusive no nosso Brasil. Daqui de Dublin venho acompanhando algumas notícias em portais do Brasil e outros blogs e foram surgindo várias perguntas por e-mail. Pensando nisso decidimos fazer esse post sobre a tal crise.

Após a independência da Irlanda em 1948, o país passou por grandes dificuldades financeiras fazendo com se tornasse uma dos países mais pobres da Europa Ocidental, provocando emigração em massa.

Os anos foram passando e a economia foi melhorando até que na década de 90 aconteceu o milagre econômico irlandês, também conhecido como Tigre Celta. Entre as principais razões aceitas para tal ‘milagre’, estavam a construção civil, a política de redução de impostos e o aumento de incentivos para atrair capital estrangeiro, além de décadas de investimento constante em educação de qualidade. Um país com baixa tributação, força de trabalho altamente qualificada, tendo inglês como língua oficial e sendo membro da União Européia, acabou se tornando uma excelente opção para grandes empresas multinacionais investirem seu dinheiro e fez com que a Irlanda se tornasse uma das maiores potências econômicas da Europa.

E com a economia irlandesa crescendo e o aumento de investimento estrangeiro no país entre a década de 90 até 2007 fez com que os preços das propriedades aumentassem em todo o país. Os bancos irlandeses aproveitando dessa grande fase cediam empréstimos a construtoras e pessoas físicas sem praticamente exigir garantias.

Com essa política de empréstimos desmedidos ficou fácil para a população pegar empréstimos e comprar casas, já que o setor imobiliário era uma opção com ótimos rendimentos. E quem vivia numa vida humilde começou a ver a cor dos “Euros” em sua conta bancária. E muitos não estavam satisfeitos em comprar apenas uma casa e compraram algumas outras para ter uns ganhos extras com aluguel já que o preço estava nas alturas devido ao aumento da imigração de pessoas do mundo todo atrás de empregos.

A valorização dos imóveis era muito atrativa por caminhar a passos tão largos, mas com o passar do tempo, os passos acabaram sendo mais largos até do que as próprias pernas do país. O preço dos imóveis começou a baixar, e quem comprou uma casa com um valor bem elevado viu seu capital despencar da noite para o dia, e assim sem dinheiro para pagar seu empréstimo como na época de vacas gordas.

Do outro lado os bancos se viram sem liquidez para honrar os depósitos de seus clientes e se viram obrigados a recorrer ao capital estrangeiro. Os bancos foram irresponsáveis por emprestar sem medida, mas as pessoas são culpadas na mesma proporção, porque tomaram empréstimos sucessivos e nunca se preocuparam em como pagar.

E o cenário não mudou, até que em setembro de 2008 o governo irlandês, com sua política de protecionismo, decidiu proteger os bancos nacionais, garantindo o pagamento de praticamente todos os compromissos devidos por eles.

Em setembro de 2010, o governo irlandês poderia ter tomado a decisão legal de encerrar as garantias, o que transformava a dívida em ações dos bancos devedores, porém o mesmo decidiu honrar sua palavra e pagou 55 bilhões de euros em títulos bancários, o que deixou feliz seus credores ingleses, franceses, alemães e ricos banqueiros e que derrubou a economia irlandesa chegando a situação que está hoje.

Na última quinta-feira, dia 24/11/10, o governo depois dessa burrada que fez no último setembro anunciou o plano de recuperação nacional que irá adotar nos próximos 4 anos para começar a valer em 2011. Aumento dos impostos, demissão em massa do funcionalismo público, cortes dos benefícios sociais e diminuir o salário mínimo em 1 euro.


O salário mínimo que até então era o maior da Europa irá diminuir 1 euro e passará a valer €7,65.  A proposta de aumentar os impostos contempla a criação de um imposto sobre propriedades, o aumento do custo das universidades e a introdução de impostos sobre o fornecimento de água. O imposto de renda também deve ser elevado, assim como as taxas aplicadas. Haverá demissão de cerca de 24.500 funcionários públicos e a redução do seguro desemprego e auxilio maternidade. 

Até que essas duas últimas medidas eu até concordo. Cada irish que não tem emprego recebe do governo €200 por semana para não fazer nada, e acreditem, é vitalício, o seguro vale até que o camarada arrume outro emprego. A maioria prefere ficar ganhando esses €200 por semana do que encontrar outro emprego. O auxilio maternidade é outro problema, pois cada filho que tiver recebe €400 por mês, então é comum ver mulheres novas com mais de um filho.
Essas são algumas medidas que o governo irá implantar para diminuir o déficit irlandês para os próximos 4 anos.
Agora nosso ponto de vista daqui de Dublin para essa crise: Não sabemos como irá ficar em 2011. Acredito que será um pouco mais complicado que a situação que passamos esse ano de 2010 quando chegamos aqui. Até o momento, nem eu, nem a Lili e nem algum amigo próximo sofremos algum reflexo dessa crise. Muito pelo contrário, as contratações para o Natal ainda estão em alta. Vi esses dias uma notícias na internet que milhares de brasileiros estão voltando para o Brasil devido a crise. Acredito que estão voltando porque o visto venceu ou porque já faziam planos para voltar por agora, já que em duas semanas de crise é pouco tempo para ter perdido o emprego, ter acabado o dinheiro e ainda conseguir remarcar a passagem tão rápido para voltar. Creio que o próximo ano, quando o governo aplicar essas medidas terá um aumento no número de desemprego, porém no nosso caso de imigrantes vivendo um intercâmbio e trabalhando em sub-emprego talvez não mude muito por um tempo, mas depois desse tempo os Irish serão obrigados a se submeterem em sub-empregos fazendo com que a imigração diminua.
Esse é nosso ponto de vista por agora, já que o futuro está incerto para 2011.

Esperamos ter ajudado um pouco a entender essa crise irlandesa e respondido algumas dúvidas e ficamos na torcida para que essa crise passe logo.
Um grande abraço!
:D

16 de nov de 2010

Dublin Bikes


Existe aqui em Dublin alguns tipos de transporte, tais como ônibus, trens  e bicicletas para alugar, o Dublin Bikes.

Em operação desde 2009 e com 450 bicicletas espalhadas pelas 40 estações no centro de Dublin, é um ótimo meio de transporte público, que alias, eu utilizo todos os dias para ir e voltar do trabalho.

Existem dois tipos de cadastro, válido para 3 dias ou um ano. O de 3 dias é simples, basta ir em alguma estação que aceite cartão de crédito e na hora consegue-se fazer o cadastro. Retire o ticket e basta digitar o ID com senha para pegar a bike. O custo para utilizar durante 3 dias são 2 euros.

O cadastro de um ano, embora seja mais demorado, é o mais solicitado. Atualmente mais de 25.000 pessoas utilizam desse transporte. Para cadastrar basta entrar no site (www.dublinbikes.ie) e preencher o formulário. O custo é de 10 euros por ano e será enviado para o endereço do registro um cartão que demora em média 10 dias para chegar.

Após receber o cartão, basta ir a uma estação e colocá-lo no sensor e digitar a senha cadastrada no site e pegar a bike.

O melhor desse transporte é que nos primeiros 30 minutos de cada jornada é grátis, ou seja, se pegar o bike em uma estação e devolve-la em outra estação nessa primeira meia hora não pagará nada por isso. Segue abaixo a tabela de tarifas, cobrados no cartão de crédito cadastrado.

Tempo
30 min
1 hr
2 hrs
3 hrs
4 hrs
Preço
Grátis
€0.50
€1.50
€3.50
€6.50

Se caso aconteça alguma coisa com a bike, deverá entrar em contato com o escritório do DB e comunicar, e caso não devolva a bike em 24horas será cobrado um valor de €150. Esse valor também é debitado no cartão de crédito.






Rápido e fácil de utilizar. Vamos pedalar também??
Abraços

4 de nov de 2010

Halloween


O tão esperado Halloween finalmente chegou e pudemos ver de perto todos os costumes da típica festa!
Semanas antes do dia 31 de outubro, as lojas já estavam enfeitadas vendendo fantasias e as casas também estavam com abóboras e enfeites; enfim o clima já era de festa!
Mas não esperávamos que aqui na Irlanda tivesse a mesma proporção que tem nos Estados Unidos! Até que ficamos sabendo que na verdade o Halloween nasceu aqui na Irlanda e foi levado para os EUA pelos irlandeses. Claro que fui checar a informação é realmente é verdadeira!!
Na verdade o Halloween era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro. As abóboras e "travessuras ou gostosuras" foram adicionados a festa pelos americanos.
Eu e Fred também queríamos entrar no ritmo da comemoração e tratamos logo de comprar uma fantasia e cair na festa com a galera!
E vimos que aqui realmente as crianças se fantasiam e vão nas casas pedir "travessuras ou gostosuras" e todo mundo sai na rua fantasiado!!
E o resultado, vocês podem conferir nas fotos.






Esquenta na casa da Tha!!






Fomos para o Temple Bar, região de Dublin famosa pela quantidade de pubs. Com certeza lá era a grande concentraçã da festa!! Inclusive de brasileiros!!!







Baladinha na Fizsimons! Impossível era encontrar algum lugar vazio, ou pelo menos em que a gente conseguisse se mecher!! Estava muito lotado e acabamos desistindo de ficar lá dentro e fomos para as ruas rir mais um pouco da galera!!




 Brasileiros cantando Chiclete com Banana! hahahaha






Nos divertimos muito e demos bastante risadas...
Com certeza uma experiência que valeu a pena!!
É isso ae galera...
Beijossss

20 de out de 2010

6 meses de Irlanda!


Esse mês de Outubro completamos 6 meses de intercâmbio e já temos muitas histórias para contar. Lembro-me de quando chegamos e era tudo novidade, bem diferente do mundo que vivíamos e ao longo desses primeiros meses tivemos uma fase brusca de adaptações com novas culturas, novas experiências e uma nova língua.

No primeiro mês foi uma fase turística aqui em Dublin, conhecemos vários pontos turísticos e “descobrimos” a cidade que era novidade. Tivemos os primeiros dias de aula, conhecemos novas pessoas e fizemos amizades. Mudamos do hotel para o nosso ap. Estudávamos muito para começar a entender as pessoas na rua e começávamos a distribuir currículos pela cidade para buscar o primeiro emprego.

Hoje no 6º mês nos adaptamos com a cidade. O clima estava frio quando chegamos, passou alguns meses começou o verão e estava legal a temperatura, e agora a temperatura esta caindo mais e mais e o frio tá chegando.

Nós dois estamos trabalhando com o mesmo cargo de “housekeeping”, porém em hotéis diferentes. A Lili já trabalha a 5 meses e meio no emprego dela e eu estou a 2 meses e meio nesse último emprego. É bom quando o dinheiro entra na conta e  começa a se viver. Tudo é muito acessível a população. Os preços são bem mais baratos que no Brasil e é mais fácil conseguir dinheiro, mesmo com sub-emprego.

O inglês melhorou muito desde que chegamos, mas temos que estudar mais. As vezes falta vocabulário no meio de uma conversa e até hoje acontece alguns micos, porém bem menos de quando chegamos, que acontecia direto. Depois de um tempo já se consegue “pensar” em inglês, o que pra mim era o difícil ao fazer cursos de inglês no Brasil. Sempre traduzia do português para o inglês para falar e vice-versa para entender. Com o hábito de só escutar e ler inglês durante o dia todo facilita muito o aprendizado.

Fizemos apenas uma viagem desde que chegamos, que foi para Paris no mês passado. Foi ótima a viagem e já nos programamos para as próximas  que será pra Londres no começo de dezembro e na segunda quinzena de dezembro iremos para Itália, Suiça, Holanda, Alemanha e Bélgica.  A facilidade de viajar aqui é grande. Programando a viagem antecipada paga-se barato em passagens aéreas (+/-€10 para viajar) e acomodação. Vale a pena programar.

Nossa alimentação mudou um pouco mas não tanto quanto esperavamos. Fazemos comida em casa e da pra comprar no supermercado bastante similar comparado com o Brasil. O café da manhã é muito diferente do nosso. Salsicha, bacon, ovo, feijão, cogumelo, torrada, tomate e carne de porco acompanhado com café ou chá é o Irish Breakfast.  Aprendemos a comer muito fast food. Aprendemos a beber Guinness, que no começo era difícil mas hoje não passamos um final de semana sem beber essa cerveja.

Fomos para o maior festival de música da Europa, o Oxegen. Aproximadamente 90 mil pessoas acampadas durante 3 dias de festa, bebendo muito e chovendo 100% do dia. Pois é, estávamos lá, porém trabalhando de cleaner. Foi um único dia de trabalho que nos forçou a bravamente jogar a toalha e pedir para sair. Cleaner em festivais, não mais rsss... Também fomos no Cirque Du Soleil e show do Gun´s N Rose (que decepção, só tocaram quatro músicas e o Axl deu chilique e foi embora. Uma falta de respeito com o público).

Viver fora do Brasil é uma experiência única que aconselhamos para qualquer um, mas não existe nada melhor que o nosso Brasil. Sentimos muita falta de lá. Família e amigos fazem muita falta. É certo que aqui percebemos valores antes adormecidos, que não dávamos atenção enquanto próximos. Isso com certeza nos fará uma pessoa melhor.

Essa é nossa retrospectiva desse meio ano de Irlanda.

Embora com muitas saudades, estamos muito felizes aqui.

Um grande abraço.

8 de out de 2010


Bom, conforme o prometido, segue um post especialmente feito para a Disney em Paris.
Nunca estivemos na Disney dos Estados Unidos (o que dizem que é 3x maior que a de Paris) mas para nós foi a maior diversão!!
É tudo muito mágico, conseguimos perceber cada detalhe dessa magia nos brinquedos, nos "bichinhos", nas paradas e nas apresentações.
Li uma vez um livro (que inclusive recomendo) falando sobre a estratégia da Disney e como ela se tornou tão querida. O nome do livro é Nos Batidores da Disney, não me lembro o nome do autor, mas conta exatamente todos esses detalhes que fazem toda a diferença.
A Eurodisney possui dois parques: o Walt Disney Studio e o Parque de Diversões Disney. Ambos com brinquedos e animações divertidíssimas! O difícil para nós foi saber por onde começar! Já que tamanha era nossa ansiedade de sair correndo igual criança e brincar em tudo! hahaha
Fomos num domingo as 10:00 da manhã e só saímos de lá as 11:00 da noite!! E ainda queríamos mais!!
E nada melhor do que fotos (que aliás são muitas) para mostrarmos um pouquinho disso tudo!



















































































Se forem a Paris... vão a Disney também, com certeza vale a pena!!

Beijosssss